Ciranda dos cartões de crédito: vale a pena pagar um usando o outro?

Quase 80% das famílias brasileiras estão endividadas e têm o cartão como principal fator de endividamento

A alta da inflação reduz o poder de compra das famílias brasileiras que, diante da situação, tendem a recorrer ao uso do cartão de crédito para arcar com despesas do dia a dia, como a alimentação. A escolha pode acarretar dificuldades para o pagamento da fatura e levar os consumidores ao endividamento. Órgãos de defesa do consumidor e do setor financeiro orientam sobre como proceder nesse caso.

Quase 80% das famílias brasileiras encerraram o mês de abril endividadas, segundo dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) realizada mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). O estudo afirma que “a inflação alta, persistente e disseminada mantém elevadas as necessidades de crédito para recomposição da renda, fazendo com que as famílias encontrem nos recursos de terceiros uma saída para manter seu nível de consumo”.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, chegou a 12,13% no acumulado dos últimos 12 meses, conforme a apuração do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Paralelamente à alta inflacionária houve o crescimento do endividamento com o cartão de crédito no país. Segundo a Peic, quase 90% das famílias possuem faturas em aberto.


Quitar um cartão com outro não resolve

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) e a Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) alertam para o risco de pagar uma fatura usando outro cartão de crédito. Isso porque a ação substitui uma dívida por outra que também possui um alto valor de juros. Dessa forma, o consumidor pode prolongar, ou até mesmo agravar, o desequilíbrio financeiro.

Por isso, a orientação do Idec, da Proteste e da Abefin é evitar pagar a fatura atrasada ou que está prestes a vencer usando um segundo cartão de crédito. A recomendação é entrar em contato com o banco para tentar uma renegociação da dívida, com condições de prazo e pagamento possíveis de serem cumpridas.

Uma possibilidade é recorrer ao crédito pessoal para fazer o pagamento à vista. A modalidade oferece juros mais baixos em comparação com outros tipos de crédito, sobretudo, em comparação com o cartão. Além disso, costuma ter aprovação rápida, sendo possível solicitar o empréstimo pessoal online, sem sair de casa.


Cuidados na hora da contratação

Apesar da facilidade de acesso ao empréstimo pessoal, é preciso alguns cuidados na hora da contratação. O primeiro deles é avaliar se a instituição que oferece o serviço está autorizada pelo Banco Central a funcionar. Essa checagem pode ser feita no site da autoridade monetária.

Outra questão importante é observar se os custos e as taxas garantem a realização de um bom negócio. Para isso, o Banco Central recomenda avaliar o Custo Efetivo Total (CET) descrito no contrato, que inclui todos os encargos da operação.

Os órgãos de defesa informam, ainda, que o consumidor não deve realizar nenhum pagamento adiantado para conseguir a aprovação de crédito. Caso haja esse tipo de solicitação, trata-se de golpe.


Considerações finais

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe da Luiz Affonso Mehl para o Blog Gauchaweb.

Gostou do nosso conteúdo com dicas sobre como pagar os cartões de créditos? Então compartilhe ele em suas redes sociais. Se você precisa iniciar um site, blog ou comércio eletrônico, solicite orçamento enviando uma mensagem ou ligue (51) 99537-9296 ( VIVO / Whatsapp ). Siga Gauchaweb no Facebook ou e Gauchaweb no Instagram.

Imagem: Pagamento celular foto criado por wayhomestudio – br.freepik.com

Open chat
Precisa de um site?
Gauchaweb
Olá!
Precisa de um site, blog ou loja virtual?
Fale comigo agora...